Proximas
atrações:

Mensagemdo dia

Payada do Negro Lúcio
Vou tenteando na cambona
Já bem abaixo do meio,
Lá pras bandas do rodeio
Ouço um berro de mamona;
Aqui guitarra e cordeona,
Chimarrão - fogo de anjico;
O sol já com braço e pico
Neste final de janeiro
Que vai indo mais ligeiro
Do que soldo de milico!
 
Mateando - meio solito
Porque o patrão e a peonada
Já saíram pra invernada,
Há muito tempo - cedito,
O sábado está bonito
E a indiada aqui da fazenda
De tarde - se vai a venda
E aos bolichos do caminho,
Ou então - beber carinho
Nos braços de alguma prenda!
 
Mas enquanto eu chimarreio
Neste morrer de janeiro,
Meu pensamento chasqueiro
Se aviva - mascando o freio
E sai - a pedir rodeio
Nas lembranças - retoçando;
Eu me paro - recordando
As falas do negro lúcio,
Muito maior que confúcio
Pra filosofar trançando!
 
E ele sempre me dizia,
Enquanto tirava um tento,
Naquele linguajar lento
Cheio de sabedoria:
- a noite é a ilhapa do dia
Na argola da escuridão,
É quem garante o tirão
Em todas as lidas sérias,
Neste varal de misérias
Que é a existência do cristão!
 
Deus não fez rico nem pobre,
Peão - patrão ou capataz,
Isso é o destino quem faz
E - como é - não se descobre,
O nobre que nasce nobre
Nem sempre assim continua;
Pra beleza da xirua
Ou cavalo de carreira
Não adianta benzedeira,
Nem reza ou quarto de lua!
 
Enquanto filosofava
Naquele estilo sereno
O semblante do moreno
Parece - se iluminava,
A vivência é que falava
Naquela conversa mansa
E - no fundo da lembrança,
Inda o escuto reafirmar:
- parar não é descansar
Porque estar parado - cansa!
 
Dele mil vezes ouvi
O que tem que ser - será,
Por longe que o homem vá
Jamais fugirá de si
E com ele eu aprendi
As cousas da natureza,
A fidalguia - a franqueza
E aquela velha sentença:
- atrás da cinza mais densa
Existe uma brasa acesa!
 
E chego a ouvi-lo fazer
Junto dum fogo de chão,
Uma grande distinção
Entre existir e viver;
Filho, dizia - morrer
Não é mais do que uma viagem,
Por isso não é vantagem
O forte fazer alarde
Que - às vezes - pra ser covarde,
Precisa muita coragem!
 
Inda vejo o conselheiro
Que evoco com devoção
Naquele estilo pagão
De confúcio galponeiro
Que me dizia: parceiro
Nesta existência brasina,
Cada qual traz uma sina
Que força alguma desvia
E nada tem mais valia
Que as coisas que a vida ensina!
 
Filho - a verdade - verdade
Que nenhum sistema esconde
É que o povo não tem onde
Suprir a necessidade
E vive pela metade
Abaixo de tempo feio,
Vai explodir - já lo creio,
A tampa dessa panela,
Nem adianta acender vela
Pro negro do pastoreio!
 
Como encontrar os perdidos
Num país deste tamanho,
Se venderam o rebanho
E os homens foram vendidos,
Se os chamados entendidos
Falam de cara risonha
Defronte a crise medonha
De estelionatos e orgias,
Quem mente todos os dias
Vai ficando sem vergonha!
 
Aqui o Rio Grande isolado
Pela mão pátria madrasta,
Dia a dia - mais se afasta
Do poder centralizado,
Mesmo que guaxo pesteado
Botado de quarentena,
Quanto ao capataz - que pena,
Não serve para o rio grande
Na hora de ficar grande
Se abatata e se apequena!
 
Na hora de dizer: pára!
Àqueles que nos ofendem,
Desrespeitam - desatendem
Ao rio grande tapejara,
Não sei porque - esconde a cara,
Quando a ocasião é mostrá-la,
Calçar o pé - erguer a fala
Porque esta terra pampeana
Não é a "casa da mãe joana"
E nem tão pouco senzala!
 
Não é ofensa - capataz,
É que os homens desta terra,
Adquiriram na guerra
Direito de estar em paz,
Dentro dum clima capaz
De viver em harmonia,
Sem toda essa vilania
De boicotes e de ameaça
Que estão fazendo - de graça
À velha capitania!
 
A própria carne importada
Lá de fora - é um desaforo,
E o calçado - há tanto couro
E gado nesta invernada
E arroz da safra passada,
Pra que essa compra mesquinha,
Querem nos dobrá a espinha
E nos cortar a garganta,
Mas rio grande - não se espanta
Como se faz com galinha!
 
Que lindo se - o presidente
Em vez de passear na europa,
Passasse em revista a tropa
Deste país continente
E num gesto inteligente
Viesse ao Rio Grande fronteiro
Que já era brasileiro
Antes mesmo de vespúcio
E levasse o negro lúcio
Pra servir de conselheiro!
Acessar

queremos sabersua opinião

Como você avalia a onda de protestos que têm acontecido nas cidades brasileiras?
  • Estou orgulhoso(a), pois é um sinal de mudança e de que o país está acordando para viver uma democracia plena.
  • É preciso esperar por mais fatos para se fazer uma avaliação dos seus efeitos.
  • Os movimentos não sabem o que querem e ainda depredam patrimônios públicos.
votar
ver resultados
você repórtermaisnova
Mande suas fotos e vídeos e vire notícia na Maisnova!

confira osvídeos da semana

Banda Melody - A mais pedida
Mark Ronson - Uptown Funk ft. Br...
Nx Zero - Vamos seguir
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

twitter maisnova

faça parte :)

rede maisnova

Cadastre-se e faça parte da Rede MaisNova FM
cadastrar
Já possuo cadastro Rede MaisNova FM
CPF
Senha
Esqueceu sua senha?